olhar sob lente

O permanente estado de aprendiz é a condição pessoal que tenho que me permitiu enxergar o mundo de uma forma diferente de todas as outras pessoas.

Esta é uma conclusão que tirei há algum tempo e que volta à voga sempre que me espanto ao deparar com pessoas que estão com uma visão engessada das coisas.

Tenho conseguido suceder na carreira como autônomo e devo grande parte disso a ser um aprendiz incondicional.

Compilo aqui – adoro compilações – alguns hábitos que essa condição praticamente me obriga a fazer e por isso, colher resultados pessoais e profissionais bem bacanas.

Não gostaria que se entendesse como um compêndio de vantagens pessoais, mas que, de verdade, pudesse ser possível contaminar as pessoas com esse delicioso estado mental.

#1 autoconhecimento

Desde sempre me senti um ET no próprio planeta. E precisei entender porque ou ficaria louco. Diferente da maioria das pessoas, procurei a terapia, o coaching e os caminhos espiritualistas próprios em momentos que eu estava bem.

A terapia me trouxe maturidade, conhecer a mim mesmo, empoderar dos defeitos, das vaidades, das chaturas. Segredo: algumas você vai manter, outras apenas mudar e – ótimo – várias que atrasam nossa vida podemos controlar ou banir!

Nós precisamos descobrir quem somos também no campo profissional. É muito importante isso, porque nos envolvemos profissionalmente por necessidade e quase sempre o que pensamos ser bom, pode ser uma armadilha perigosa de futura depressão.

Enfim, descobri que comandar as iniciativas e trabalhar tirando grandes ideias – e constantes – do papel é o que mais me realizaria. A partir do momento que entendi isso e busquei perseverante, as coisas mudaram. Passei e passo perrengue financeiro? Sim. Mas vivo enquanto trabalho! É uma escolha consciente e, algumas décadas depois, estou em franco caminho de maturidade financeira.

O que é a riqueza pra você? Pra mim é poder, com a minha família, ter contato frequente com o mar.

#2 curiosidade

Querer sempre conhecer algo novo implica em olhar o mundo de forma diferente. É como se eu tivesse mantido uma característica que as crianças tem. Se eu ouço um barulho diferente eu não vou sossegar enquanto não descobrir de onde vem.

Recentemente vendi meu carro e estou simplesmente encantado descobrindo regiões e locais que eu, dirigindo, nunca havia reparado a existência. Andar me proporciona tempo para olhar, entender e apreciar. Falei disso em outro texto.

Da mesma forma, em um ambiente novo a minha curiosidade faz com que eu leia as pessoas e me interesse em descobrí-las. Ouvir as pessoas é a maneira mais fácil de criar empatia. Logo, é muito fácil pra mim abrir caminho para amizades novas.

Tento conhecer as pessoas e como elas funcionam e me adapto, o que me proporciona inteligência emocional pra tornar o ambiente leve e ganhar aliados para conquistar objetivos profissionais, por exemplo.

Ser curioso proporciona apreciar o mundo. Um por do sol ser sempre novidade. Reparar cada detalhe de cada design dos objetos ao nosso redor.

E preciso de uma enorme quantidade diária de informações pra ficar satisfeito. É uma luta adorável e não vai ter fim. Olha que “certeza” reconfortante.

#3 conhecer a fundo grande lista de assuntos

Talvez a maior vantagem em ser aprendiz tenha sido a abertura a todo tipo de teorias, inferências, conjecturas: ler e ver o tempo todo.

Seja na TV, no celular ou livros, se você se interessa por alguma coisa, pesquise sobre ela. Assim você vai conhecer muitos assuntos diferentes.

Como profissional do Marketing isso faz muito sentido, pois posso trabalhar para todos os segmentos de empresas e profissionais. Fiz pós de Gestão de Negócios para entender como os negócios e os profissionais “precisam funcionar” para que alcancemos resultados. Logo, em qualquer segmento, se eu me aprofundo um pouco, estudo as pessoas como dito antes, entendo a prática diária dos processos, suas dores na atividade e fica muito mais fácil propor soluções de Marketing.

Tenho curiosidade desde carros antigos da GM até assuntos que considero dificílimo como a programação em diversas linguagens da tecnologia. Sou cinéfilo e maratonista de série de carteirinha.

Sou apaixonado por games indie, ou seja, que tem uma ideia fora da curva pra você desenvolver. E simplesmente me encanto ver o trabalho de um grupo pequeno ou grande de artistas que resulta em um game belíssimo.

Arquitetura! Saber que a Arquitetura pode modificar desde o plano das cidades até o jogo com nossas sensações em acabamentos diferentes dentro de uma sala é algo que me encanta.

Se mantenha aberto a isso e você terá uma bagagem de assuntos enorme, treinará sua memória, relacionará assuntos na sua cabeça e naturalmente procurará pessoas pra discutir e compartilhar essas coisas.

#4 visão crítica

Conhecer muitos assuntos te dá a noção de que qualquer assunto pode ser analisado e compreendido de um ponto superficial até um bem mais aprofundado. A mente humana é brilhante e já fomos muito longe em várias problemáticas que nos envolve. Não menospreze isso!

Ter a consciência do quanto você conhece de determinado assunto vai colocá-lo em posição de aprendiz quase que automaticamente. Ouvir e ler primeiro, absorver, entender e depois trocar, com crítica baseada na sua bagagem. Às vezes, só absorver.

Temos efeitos muito comuns nos dias de hoje no que tange ao comportamento das pessoas em relação ao conhecimento. “No Efeito Dunning-Kruger, por exemplo, indivíduos que possuem pouco conhecimento sobre um assunto acreditam saber mais que outros mais bem preparados, fazendo com que tomem decisões erradas e cheguem a resultados indevidos; é a sua incompetência que os restringe da habilidade de reconhecer os próprios erros (Wikipedia)”.

Da mesma forma, temos profissionais vaidosos que se distanciam da sociedade por puro preconceito ou mania de grandeza e que não aceitam colocar em discussão o que sabem, em uma enxurrada de termos chulos ao desqualificar qualquer um que tenta contrapor.

Já discuti com alguns que, lamentavelmente, reconhecem que seu trabalho não tem qualquer serventia para a sociedade. Qualquer aplicação, nem mesmo para ampliar o pensamento ou entendimento, são totalmente herméticos.

No outro extremo, temos hoje a ditadura do achismo, em que se sustenta argumentos com lógica cartesiana rasa baseada em experiência própria, em assuntos que são bem mais complexos em que, sinceramente, uma opinião é irrelevante.

A visão crítica é algo fundamental para tomar decisões mais acertadas, pois é ela que define o caminho até a resolução das questões que temos no cotidiano de nossas tarefas.

É necessária para analisar e entender tudo que nos estimula hoje em dia, afinal, informação não é conhecimento. O meu segredo é entender que os assuntos em pauta nunca estão esgotados, sempre há uma intenção do emissor daquela mensagem e não há uma verdade absoluta.

Sendo assim, permaneço nessa constante mudança em que aceito certas coisas – como o pão e circo de hoje em dia – em certos momentos e as rechaço em outros. Quantas vezes você mudou de opinião e consegue se lembrar?

“Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.” – já dizia aquele sábio brasileiro.

Entretanto, essa visão crítica é a mesma ferramenta que uso para ler determinada pessoa e saber quando não devo jogar pérolas aos porcos. Isso faz muito bem pra saúde, pode acreditar.

#5 acompanhar pessoas que estimulam

Se você tem curiosidade o tempo todo, naturalmente você vai preferir estar ao redor de pessoas estimulantes. Tenho um grupo de amigos que considero bem mais inteligentes que eu. Sendo assim, corro atrás e tento ler o que eles leem. Tento entender o que eles entendem.

Estar perto de pessoas que você considera mais inteligentes é bem interessante. Eles dizem que não são. Se eles não dizem isso, eles não são (insira aqui seu emoji de riso preferido). Isso é algo que deve ficar na prática. Se trazem assuntos que você opta por conhecer também, é porque são interessantes e merecem ser examinados.

Conviver com uma criança prova o ponto contrário. Um ser que está descobrindo tudo entrega a mesma quantidade de coisas estimulantes que os amigos cabeções.

Experimente experimentar o mundo sob a ótima lúdica das crianças e sinta seu cérebro criar novas conexões.

Tem um amigo baterista? Faça como eu, quando o ambiente for favorável, dedique algumas horas a aprender uma nova atividade, sob a tutela de um mestre. Persista. Novamente você vai sentir seu cérebro desdobrando. Fiz isso também com escalada indoor.

E você, tem vontade e compartilha assuntos com as pessoas? Eu fico louco às vezes pra compartilhar algo que aprendi. Minha esposa já não aguenta mais quantas vezes falo algum aspecto técnico de carros.

Estar rodeado de pessoas interessantes que ouvem e falam te estimula a ter novas ideias, a sair da sua zona de conforto. E é isso que tento fazer com meus clientes: provocá-los. Mudar algumas coisas. Trazer algo realmente novo, rotinas novas. Se algo novo acontece, um resultado diferente também!

#6 manter vários projetos simultaneamente

Estar antenado no mundo causa uma profusão de ideias. Aliás, meu trabalho é ter ideias. Mas isso já me prejudicou muito, pois quando se vai para o mercado e se assume um cargo sob gestores, você precisará funcionar segundo o que esses gestores acreditam ser correto.

Isso pode ser muito dolorido em longo prazo, pois se você enxergar mudanças necessárias terá ideias e se elas não puderem acontecer, você certamente lidará diariamente com a frustração.

Aprendi a filtrar e a tirar projetos do papel ao longo de décadas tendo ideias e ajudando pessoas a fazerem isso com as ideias delas. É preciso também aprender que há ideias que não irão pra frente por diversos motivos ou que o resultado será pífio.

É muito importante dosar a entrega emocional e de tempo aos projetos, pois nós precisamos de dinheiro, de renda, para viver.

A monetização, aliás – como extrair receita dos projetos – é aspecto ao qual tenho debruçado com frequência, pois entendo como crucial. O negócio, os gestores, todos precisamos de saúde financeira para caminhar no sistema.

E sei que pode demorar, mas tenho grandes ideias e mesmo com todos os obstáculos que o Brasil proporciona, vencê-los trará satisfação ainda maior. E nisso incluo os projetos dos meus clientes, a grande maioria compartilha a questão do propósito ou eu não ficaria motivado a participar!

#7 engajar pessoas

Levar toda a minha bagagem do Marketing aos projetos que passo a fazer parte é meu principal argumento de venda. É algo que é somente meu e que ninguém vai conseguir copiar ou fazer exatamente igual.

Em todo projeto identifico com o dono o objetivo maior, normalmente audacioso, a atingir. E vou entregar tudo que tenho, conscientizando das delícias do aprendizado que esse caminho vai trazer.

Por isso meu corpo organizacional se chama MeHa. Método para Harmonia. E para passar por esse caminho, seja o projeto que for, preciso de aliados que valorizo e que combino os papeis a cumprir.

Mesmo aqueles com quem temos conflitos também fazem parte fundamental dos projetos. O segredo é manter os conflitos pequenos e constantes, para que não cresçam em meio aos ruídos de comunicação e se tornem mais sérios.

Mesmo essas pessoas podem ser parte fundamental dos projetos. Não desista delas enquanto for possível.

Naturalmente, quando for necessário também dar um tempo para ver se algo muda, também faz parte o afastamento, o conflito que gera um rompimento. Prefiro pecar por agir do que não agir e até num rompimento, até na ausência temos ação, comunicamos algo.

Espero que todos possam aproveitar ao menos alguns pontos destes hábitos, pois eles não são meus, eles formam o que eu sou, essencialmente. E me trazem alguma facilidade constantemente.

Você tem algum hábito relacionado que quer compartilhar? Fique à vontade.